PERGUNTAS FREQUENTES

Notas explicativas e advertências

FonteAs fontes de registos de ataques são variáveis. Alguns são do governo e outros de organizações não-governamentais. Finalmente, alguns foram obtidos do perito independente das NU durante as suas visitas aos países da região.
GovernoAs informações do governo sobre os ataques foram reportados principalmente por meio de dados fornecidos à Perita Independente das NU em gozo dos direitos humanos por pessoas com albinismo. Em outros casos, casos foram confirmados indirectamente por agentes do governo, particularmente órgãos públicos de execução da lei que declaram o lançamento de investigação ou que reconhecem a veracidade do relatório aos meios de comunicação social.
ONGsVárias ONGs em toda a África reportaram casos. A maioria dos casos reportados neste site são de ONGs que trabalham particularmente na questão de pessoas com albinismo em toda a África. A grande maioria reportou casos através de sua organização parceira.
Comunicação socialAlguns casos foram obtidos a partir dos meios de comunicação social, particularmente quando nomes e locais foram incluídos junto com outros elementos que permitem o rastreio.
AdvertênciasQuestões importantes a tomar em consideração:
Trabalho em progressoÉ um desafio bastante grande juntar dados sobre esses ataques na região da África. Esse é particularmente o caso onde os órgãos de monitoria têm pouca capacidade, como é o caso de algumas organizações que atendem pessoas com albinismo. Além disso, às vezes até mesmo os dados do governo não são devidamente desagregados para permitir uma análise profunda. No geral, é necessário mais trabalho para a documentação adequada desses casos e também na monitoria e na apresentação de relatórios. À medida que recebemos mais informações úteis de fontes razoavelmente credíveis e fiáveis, os dados serão actualizados, revistos e refinados. Para ajudar neste trabalho, clique em Junte-se a nós.
CredibilidadeMais de 300 casos de ataques e violações foram confirmados pelo governo. Todos os outros foram confirmados principalmente por ONGs - em particular organizações que atendem pessoas com albinismo e comunicação social.
FiabilidadeOs dados aqui reportados foram compilados com base na simples pergunta: é razoável confiar nesta informação e sua fonte? A maioria dos casos parece ser razoavelmente fiável. Existem alguns casos em que mais informações são necessárias, uma vez que as informações reportadas parecem incompletas. No entanto, se a fonte dessas informações for credível e fiável, essas informações foram incluídas para fornecer informações indicativas e não precisas.
VerificadosTodos os casos reportados não são verificados em termos de rastreio abrangente e verificação cruzada. Apenas um país, que é Tanzânia, é conhecido por ter tentado a verificação cruzada. No resultado, governo e ONG diferiram nas suas constatações. Enquanto o governo reporta apenas 50+ casos. As ONGs reportam mais de 100. Para obter mais informações sobre os desafios na recolha de dados sobre esses casos, consulte os comentários em "Fiabilidade" e "Trabalho em Progresso".
Casos reportados apenasEsses casos são casos reportados apenas. Acredita-se muitas vezes que ocorreram muito mais atrocidades do que as reportadas por várias razões, incluindo os desafios de recolhe de dados, fraca capacidade de monitoria por parte da sociedade civil, o sigilo que muitas vezes envolve práticas prejudiciais relacionadas com a feitiçaria e o envolvimento de membros da família reportado. Veja outros factores em considerações para Interpretação abaixo.
Erros de introdução de dadosEmbora tenhamos os nomes da maioria das vítimas nesses casos, alguns permanecem desconhecidos. Além disso, é possível que pequenas discrepâncias nos relatórios, ou seja, variação no nome de uma vítima ou do local pode ter causado dupla introdução. No entanto, esses são mais raros do que são comuns. Finalmente, a categoria de "sobrevivente", que normalmente é reservada para sobreviventes de tentativas de assassinato e mutilação, também pode ter reflectido vítimas de sequestros e estupros. Isso também seria mais raro do que é comum.
Não NUObserve, no entanto, que a Perita Independente das NU em albinismo - que trabalha em sua capacidade pessoal - confirmou em seus relatórios que recebeu uma confirmação de funcionários do governo relativa a um total de mais de 300 casos de três visitas aos países realizadas entre 2016 e 2017. Observe, no entanto, que a Perita Independente das Nações Unidas em albinismo - que trabalha na sua capacidade pessoal - confirmou nos seus relatórios que recebeu uma confirmação a partir dos funcionários do governo de um total de mais de 300 casos, nas três visitas aos países realizadas entre 2016 e 2017. Trata-se de visitas aos países: Malawi, Moçambique e Tanzânia
CategoriasCategorias de ataques são apenas baseadas em categorias usadas no direito penal, bem como definições de dicionário
AtaquesFormas extremas de discriminação, incluindo agressão com a intenção de causar danos corporais graves.
AssassinatoO assassinato ilegal premeditado de um ser humano por outro.
Roubo a campasActo de levar propriedade - particularmente os restos mortais de uma pessoa com albinismo ilegalmente de um lugar ou de uma campa por força ou ameaça de força.
SobreviventeAlguém que sobrevive, especialmente uma pessoa que permanece viva depois de um acontecimento em que outros morreram. Em particular, sobreviver ao assassinato, à tentativa de homicídio e à mutilação.
EstuproUm acto de forçar outra pessoa, contra sua vontade, a ter relações sexuais com o agressor.
RaptoActo de forçosamente levar alguém contra sua vontade e pode incluir tráfico de pessoa. Infelizmente, não inclui o tráfico de órgão humanos , uma vez que não há monitoria sistemática e registo de esforços nessa área em relação a pessoas com albinismo.
DesaparecidaUma pessoa que não pode ser encontrada até hoje porque não está no lugar esperado.
ReportadoRelato falado ou escrito de algo que alguém tenha observado, ouvido, feito ou investigado.
Considerações para interpretação
No geralÀ luz de advertências e definição, esses registos não são perfeitos. Dito isto, eles mostram casos confirmados, assim como outros que são fiáveis em vários graus. No geral, os casos são indicativos de violações extremas dos direitos humanos, bem como problemas subjacentes no gozo dos direitos humanos por pessoas com albinismo na região.
Liberdade de imprensaA extensão até onde os casos são reportados pode ser afectada pela liberdade de imprensa. Por exemplo, durante o pico dos ataques na Tanzânia, o país parecia ter uma liberdade de imprensa relativamente alta. Existe uma possível correlação entre as liberdades de imprensa e a extensão até onde os casos são reportados.
SigiloOs tipos de ataques enfrentados por pessoas com albinismo estão fortemente ligados a práticas prejudiciais que emanam da feitiçaria e outras visões de mundo que operam em segredo. Isso torna incrivelmente desafiador acompanhar com detalhes certos casos.
Envolvimento da famíliaO envolvimento de membros da família nesses casos não é incomum e vários casos confirmaram essa tendência. Este é um desafio adicional na recolha de dados e investigação sobre a vida de pessoas com albinismo.
PopulaçãoAs pessoas com albinismo são um grupo relativamente pequeno e geralmente variam de alguns milhares a dezenas de milhares num país. . Um ataque a um geralmente causa medo em todas as pessoas com albinismo que são visíveis e cujas casas e paradeiros são frequentemente bem conhecidos.
Contestação
Nota sobre TanzâniaO total de casos reportados pela sociedade civil está bem acima de 100. O governo contesta esse número e reporta 55 casos confirmados.